NOVA MUTUM, 28 de Maio de 2024
icon weather 11 º 19 º
DÓLAR: R$ 5,17
Logomarca

CIDADES Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017, 15:04 - A | A

15 de Dezembro de 2017, 15h:04 - A | A

CIDADES / Sicredi

Projeto do programa A União Faz a Vida é finalista de prêmio nacional

Assessoria



A professora Daisy Alves Juy Selinger, de Itanhangá, município com cerca de 6.500 habitantes, distante 500 quilômetros de Cuiabá, participa na próxima semana da etapa nacional do concurso Professores do Brasil, promovido pelo Ministério da Educação. Desenvolvido na metodologia do programa A União Faz a Vida, o projeto Carrinhos de rolimã: Herança dos nossos pais, inscrito pela professora, foi contemplado nas etapas estadual e regional do prêmio, levando o exemplo de como o resgate de brincadeiras antigas pode contribuir para fortalecer a relação entre família e escola. O resultado da etapa final da 10ª edição do Prêmio Professores do Brasil, que visa reconhecer o trabalho de professores de escolas públicas que contribuem para a melhoria dos processos de ensino e aprendizagem, será divulgado na próxima segunda-feira, 18, em evento realizado em São Paulo.  

Conforme explica a professora Daisy Selinger, o projeto Carrinhos de Rolimã surgiu de uma curiosidade dos próprios alunos, como acontece em todos os projetos do programa A União Faz a Vida, que estimula o protagonismo dos alunos. Durante a expedição investigativa, os alunos do 3º ano da Escola Municipal Paulo Freire entrevistaram os pais e pessoas da comunidade sobre os brinquedos mais comuns quando eles eram crianças. No retorno à sala de aula, o carrinho de rolimã foi o brinquedo que despertou o maior interesse. “Eles ficaram muito interessados em saber como é que se construía um carrinho, e nós então partimos para estudar o que é um rolamento e as possibilidades de construção de carrinhos”, conta a professora, acrescentando que durante o desenrolar do projeto, muitos outros temas do currículo escolar também foram estudados por meio da atividade. “Fizemos bastante pesquisa de campo, saímos da sala de aula, e ficamos conhecendo melhor a realidade da nossa comunidade. E isso quem proporcionou foi o programa A União Faz a Vida, porque ele possibilita essa integração entre comunidade e escola”.  

Em uma das atividades, o projeto propôs o envolvimento dos pais e da comunidade para a construção dos carrinhos de rolimã. “Todos construíram os carrinhos para os filhos, nenhum pai comprou um carrinho para o filho ir lá só brincar no dia, então este valor sentimental que eles têm com os carrinhos é muito grande, aquele apego de construir cada carrinho com a sua característica. Esta integração de valor de família foi a maior contribuição do projeto”, avalia a professora.  

Para Kátia da Conceição, mãe do Kaíque, de 9 anos, a participação no projeto foi uma experiência de aproximação para a família e também contribuiu para ampliar o interesse do filho com as brincadeiras tradicionais. “Nós vivemos uma era de tecnologia, e era uma briga com ele pra não ficar somente na televisão e no videogame. Então o projeto foi uma experiência também pra nós, como pais, porque passamos um tempo de qualidade com ele. Foi uma descoberta, fazer o carrinho e tudo o mais”, conta Kátia, que costumava brincar de carrinho de rolimã quando criança e pode reviver a experiência com o filho.  

A culminância da atividade foi a realização da primeira corrida de carrinhos de rolimã de Itanhangá, em julho, que envolveu, além dos alunos e famílias, também a comunidade. E o sucesso da proposta incentivou a realização de mais uma edição da atividade, neste mês de dezembro. “Sem a cooperação a gente não conseguiria fazer o projeto. Tivemos exemplo de cooperação em todos os sentidos do projeto, em construir o carrinho, em compartilhar no dia da corrida o carrinho com os colegas, o resgate da convivência em família, porque eles chamaram a tia, a avó, a comunidade, todo mundo veio ver”, conta a professora Daisy.  

Este envolvimento da comunidade com os projetos desenvolvidos pelas escolas é um dos diferenciais proporcionados pela presença do programa A União Faz a Vida no município, de acordo com secretária de Educação de Itanhangá, Suzana Bess. “A gente conseguiu construir este caminho via programa A União Faz a Vida, que é o nosso suporte, de que a comunidade venha até a escola e se sinta parte da escola”, destaca. E o resultado deste trabalho em conjunto é a amplificação das ações que fazem a diferença, segundo ela. “Nós tivemos inúmeros projetos que nos possibilitaram que a comunidade e a escola juntas pudessem fazer melhor, um movimento maior, e juntos conseguimos desenvolver valores tão importantes como a relação familiar”.  

Ainda na avaliação da secretária, a vivência da cooperação nas escolas proporcionada pelo programa contribuiu para o crescimento da educação do município. “O trabalho hoje entre os nossos profissionais da educação é muito unido e quando a gente tem projetos que se destacam em nível estadual, regional e nacional, por meio da metodologia do programa A União Faz a Vida é uma conquista de todos. O programa nos oportunizou crescermos juntos, porque tem esse movimento que faz com que um contribua com o outro”.  

Para a gerente de programas sociais da Sicredi Centro Norte, Andréa Passos, o projeto Carrinhos de Rolimã é um dos exemplos de como o programa A União Faz a Vida promove o desenvolvimento de valores como a solidariedade, a justiça, o empreendedorismo, o respeito à diversidade e o diálogo. “Este projeto instigou os alunos a valorizarem tudo o que faz bem. Foi um resgate às brincadeiras que unem as famílias, oportunizam o diálogo, a construção coletiva, o respeito às regras”. Além disso, conforme destaca Andréa, o projeto coloca a criança e a família como protagonistas do aprendizado, que se torna mais significativo. “Com o avanço da tecnologia e o fácil acesso à internet, os jogos e brincadeiras chegam às nossas crianças e adolescentes praticamente prontos, não oportunizando a troca de experiência, a opinião, a transformação, a mudança de atitude. E neste contexto, além deste projeto, nós temos inúmeros outros exemplos a citar, pois foram mais de dois mil projetos desenvolvidos em 2017”, ressalta Andréa.  

O programa A União Faz a Vida é o principal programa de responsabilidade social do Sicredi gerido pela Fundação Sicredi, em parceria com as secretarias de Educação dos municípios. Tendo em seus princípios a cooperação e cidadania, o programa promove práticas de educação cooperativa por meio de uma metodologia de projetos. “O Sicredi, assim como as empresas apoiadoras do programa A União Faz a Vida, acredita nesta causa maior que é a educação, uma causa capaz de transformar realidades, para garantir um futuro mais justo, mais humano, e mais promissor a todos”, completa Andréa.



Álbum de fotos

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Comente esta notícia