NOVA MUTUM, 23 de Julho de 2024
icon weather 17 º 32 º
DÓLAR: R$ 5,57
Logomarca

GERAL Quarta-feira, 01 de Setembro de 2021, 13:51 - A | A

01 de Setembro de 2021, 13h:51 - A | A

GERAL / AULA POLÊMICA

Professora cuiabana é afastada de escola por chamar Bolsonaro e apoiadores de corruptos

A mãe de um aluno, ciente das discussões na sala de aula, gravou a fala da professora e depois apresentou o áudio à diretoria do colégio.

Mário Andreazza/RepórterMT



Uma professora do Colégio Notre Dame, em Cuiabá, recebeu suspensão de três dias por discutir questões políticas com os alunos do 3º ano do ensino fundamental, faixa etária entre 8 e 9 anos, e ainda criticar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seus apoiadores durante as aulas.

A questão teria vindo à tona após a mãe de um aluno, que já tinha conhecimento sobre as ‘discussões’ na sala de aula do filho, decidir gravar uma aula da professora.

No áudio, a professora teria falado sobre invasão das terras indígenas pela Polícia Federal e acusado o presidente de ser a favor de destruir a natureza.

Outra pauta proposta pela professora seria a polêmica das urnas eletrônicas, onde teria dito que o voto eletrônico não tem como fraudar e por isso Bolsonaro queria voltar à época do ‘papelzinho’ para “facilitar ele fazer qualquer coisa que quiser".

A educadora ainda compara os apoiadores de Bolsonaro a torcedores de futebol, porém, questiona a índole deles, chama de corruptos “como o presidente”.

O fato se espalhou entre outros pais e a mãe que gravou o áudio apresentou à diretoria da escola e questionou o fato pedindo providências.

Em nota, a diretoria do Colégio afirmou ter conhecimento dos fatos, porém, não apoia a conduta da professora e por isso suspendeu a educadora.

 

Veja nota na íntegra

"Chegou ao nosso conhecimento que a professora do 3º ano fez comentários de caráter político-partidário. Esclarecemos que o Colégio Notre Dame de Lourdes não apoia tal conduta, e que a professora foi suspensa por três dias.

A professora está envergonhada e arrependida, pois sabe que não é esse seu papel na escola e que ela infringiu um artigo do código de ética assinado pelo corpo docente.

Esclarecemos que manteremos as aulas normalmente."

Atenciosamente, Irmã Marluce”.



Comente esta notícia