NOVA MUTUM, 26 de Maio de 2024
icon weather 14 º 31 º
DÓLAR: R$ 5,17
Logomarca

POLÍCIA Segunda-feira, 03 de Setembro de 2018, 12:27 - A | A

03 de Setembro de 2018, 12h:27 - A | A

POLÍCIA / OPERAÇÃO CATARATA

Gaeco apura fraudes na Caravana da Transformação

A ação é coordenada pelo promotor Mauro Zaque. As investigações apuram irregularidades na contratação dos serviços de oftalmologia.

ReporterMT



O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público de Cuiabá, realiza nesta segunda-feira (03), a operação “Catarata”. Agentes do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) de MT e de SP cumprem mandados de busca de apreensão na Secretaria de Estado de Saúde e na empresa 20/20 (Fábio Vieira da Silva), localizada em Ribeirão Preto.

O secretário de Saúde, Luís Soares está no local e acompanha o cumprimento dos mandados.

De acordo com o coordenador do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público, promotor de Justiça Mauro Zaque, o objetivo da operação é apurar “fatos graves na execução do contrato da Caravana da Transformação no tocante aos serviços de oftalmologia”.

Os mandados de busca e apreensão foram deferidos pela juíza Célia Vidotti em ação cautelar proposta pelo MPMT.

A magistrada também acatou o pedido do MPE e determinou a suspensão do contrato e o pagamento de quaisquer valores à empresa responsável pelos serviços de oftalmologia. Foi decretada ainda a indisponibilidade de bens do secretário do Estado de Saúde, Luís Soares, e do proprietário da empresa.

Na tarde desta segunda-feira, o Núcleo de Defesa do Patrimônio Público colherá depoimentos de pessoas envolvidas no caso.

O oficial de Justiça esteve na manhã desta segunda-feira (03) notificando a Secretaria de Estado de Planejamento (Seplan) sobre a decisão da suspensão do contrato.

Conforme informações, a empresa teria recebido do Governo R$ 41 milhões e tem a receber mais R$ 6 milhões.

Caravana

O Governo do Estado implantou o programa Caravana da Transformação em 2016. Foram realizadas14 edições em dois anos.

A proposta da ação é zerar as filas de cirurgias oftalmológicas no Estado.

Das 75 mil cirurgias realizadas, 61 mil foram de catarata, 8.237 de pterígio e 5.840 de yag laser.

Outro lado

O   entrou em contato com a Secretaria de Comunicação do Estado e com a assessoria da Secretaria de Saúde do Estado, ambos os responsáveis informaram que estão tomando conhecimento da situação e irão se manifestar por meio de nota.



Comente esta notícia