NOVA MUTUM, 27 de Maio de 2024
icon weather 9 º 26 º
DÓLAR: R$ 5,17
Logomarca

MARLI VIEIRA Quinta-feira, 08 de Fevereiro de 2018, 22:45 - A | A

08 de Fevereiro de 2018, 22h:45 - A | A

MARLI VIEIRA / MARLI VIEIRA

COLUNA: Sabes tu o que é amar?

Marli Vieira
Nova Mutum



Acordei sem pensar muito bem, e indo à escola durante a manhã fiquei refletindo no que aconteceu... Não entendi bem, ou talvez tenha entendido muito, não sei.  Estou chateada, triste mesmo, a reação no meio da noite e depois a reação de manhã... a voz do celular despertando, eu só sei que fiquei pra baixo, e isto não é bom... a voz, a presença, me inspira, me anima, me alegra, os problemas são para mim partilha que se dividem com alguém que se quer bem, não me chateiam, até porque sei que irá se surpreender consigo mesmo, e que vai estar bem consigo e em equilíbrio com o que busca.

Os conflitos são complexos, e eu tento entendê-los, embora às vezes seja uma ostra... não se  abre... mas todos temos conflitos internos, faz parte do crescimento e evolução de cada ser.  O passado não me incomoda, apenas fico as vezes comovida em ver que se prende ou deixa-se ficar preso nele, sem querer se libertar, é como se gostasse de sofrer... as recaídas, estas me preocupam, pois estão ligados aos conflitos, é dói saber que se pode superar, e as vezes se encontra como se em uma encruzilhada, parece ter medo, medo? de quê?... talvez de você mesmo.... Poderia ser diferente, poderíamos apenas rir, trocar figurinhas..rsss... pena sermos tão humanos... pena eu ser tão gente.. e não saber não me importar, não ligar, não levar na esportiva, e sentir tanto carinho  e confiar tanto, e olhar como se conhecesse você a vida toda..

Bem, nas amizades da vida que conheci, não faziam, quem sabe agora fazem, afinal sou do século passado, melhor, sou de uma geração que atravessou o século, conheci a ditadura na infância, militei na juventude, e olha que estávamos nos anos 80 em plena ditadura e luta pela anistia.

Mas a sociedade, a política, e os bons costumes não haviam mudado ainda. De nada me arrependo, somente daquilo que deixei de fazer por medo. Mas, afinal, vamos ao campo, ao tema deste, que é mesmo que estou falando? Bem, aos quarenta anos, a vida é diferente e o horizonte também, sabe por quê?  Simplesmente, porque a vida tem mais valor, mais sabor, mais amor, porque coisas simples fazem a diferença, e porque estou cansada da hipocrisia da sociedade, da política, do capitalismo, mas, não sou assim extremamente contra o capitalismo, até porque não sou socialista, e anarquista foi em minha fase de utopia, aquela de todo mundo, comunismo, ah...isto foi influência de Jorge Amado, em Os Subterrâneos da Liberdade, sua personagem Mariana  me fascinou, me seduziu dos 13 aos 37, mas eu fiz 40 anos, então tudo se torna mais claro, mais vida, mais tudo, e principalmente mais feliz.

Você deve estar curioso sobre os acontecimentos da tal noite, só posso lhe dizer que nada aconteceu, mas adormeci suavemente... E mais que tudo, acordei e agradeci a Deus por eu ser quem eu era, uma mulher de 40 anos, que vôo, e não escalo, que escolho e não sou escolhida, que tenho vontades, e não sou mais submissa, que opino e não fico mais calada, que tomo um shop, pago e saio numa boa, (ops... não tomo mais shop há anos....voltando), bem dizia que afinal, ninguém paga as minhas contas, e se resolver alguém pagar por elas não serei diferente, pela primeira vez olho no espelho e me vejo, vejo aquela de quem há muito eu sentia imensa saudades, e não sabia!

Sinto-me meio que sem inspiração, não obtive partilha no texto anterior, mas também ele se perdeu no tempo, era uma ideia, que se perdeu pela demora em captá-la, e o tempo não perdoa, as impressões se apagam... Então, continua, mas sem resposta... E o Final de Semana. Tranquilidade é algo que não tem preço, é necessário, ao corpo e ao espírito, e assim começou a sexta feira.  

E Encerrando os trabalhos e iniciando a madrugada com o que tem me trazido paz.   Dormir tranquilamente, não havia necessidade de mais nada, só o abraço, o carinho, a presença, ora eu pensava ora tinha medo, mas decidi-me pelo risco, então é melhor vivenciar o momento, quais seriam as vontades, os pensamentos naquele momento, isso já não me inquietava mais, adormeci tranquila e amanheci melhor ainda.

O dia de sábado começou com muito trabalho,  numa parte da manhã, acordei tarde, uma mesa cheia de papéis, e assim foi a tarde.  Lembrei-me da espiritualidade, eram 18:34 min, liguei, convidei, o ser aceitou, fomos.  A palestra foi proveitosa para mim, me fez refletir sobre os valores e conceitos que tenho da vida e do trabalho, acredito que foi para todos também proveitosa no momento.  Chegamos um pouquinho atrasados, ah.. uma amiga que chegara em casa a tarde, foi também,  Mas, o mais incrível foi aceitar ir jantar em casa, jantar não!... fazer o jantar. Imagine, eu, a doida da minha amiga, amavelmente doida, e o cauteloso, silencioso, e ao mesmo tempo atencioso, assim ficamos horas entre o papo, o fazer o jantar, o lavar louças, a rede, bem, no momento da rede a amiga já havia se recolhido.

Um bem querer maior toma conta de meu ser, as conversas são sobre outras pessoas, fatos, acontecimentos, sobre o trabalho, sobre o passado, tudo passa como um filme, muito rápido, abraço forte, não quero que o  momento passe.  É um saciar de querer mais, talvez mais isto ou aquilo, não sei definir, mas é um querer mais.  

Abraço, reflito sobre meus sentimentos, carinho? Sim, com certeza muito, amizade? Claro, mas não é só isso! ...   O que me prende? Por que espero, por que me preocupo, por que sinto saudades e ao mesmo tempo uma vontade de fugir de tudo isto.  É como se sentisse que amanhã não haverá e tivesse que ficar só com o hoje, no momento em que o hoje está nos últimos minutos, não é uma sensação boa, talvez melhor afastar-me definitivamente, voltar pra minha vida pacata, esquecer, talvez... talvez...  Que dúvida cruel, mas na dúvida deixo o tempo passar e vivo este momento sem igual.   

Viver, não apenas passar os dias. É, ninguém foi feito pra viver só, até acho que todos os seres deveriam nunca dormir sós, e morar em casa separadas, assim, ninguém se aborreceria com ninguém, pelo menos não muito...pois, acordar com alguém do lado é algo muito bom, muito bom mesmo...mas muito chato as vezes também, as vezes nem se pode giboiar (ficar se espreguiçando para um lado e outro), ah o ontem distante e a noite de ontem mais ainda. Acordo me sentindo um ser humano não melhor que ontem a noite, e com uma sensação de ter ultrapassado limites... Ontem a noite me irritei, mas, afinal que tenho eu a ver com isso, não sei, não sou perfeito, não me culpo, não sei. Tive vontade de discutir, o que não é bom para o corpo, e muito menos para o espírito, discutir consome energias positivas, e corrompe a áurea do bem, o motivo exatamente não existe, foi uma coisinha aqui, outra ali, e bummm, esta complexidade de sensações afeta até mesmo o organismo,  estou sensível demais.    

É cruel às vezes como tratamos as pessoas que nos são caras, é, acho que é assim que me senti hoje de manhã, a sensação de ter sido cruel em atitudes e palavras também não é algo saudável, mas as vezes necessário, não é algo que se faça com o outro, mas pior é deixar o outro fazer contigo.  Não dá pra voltar atrás, mas dá pra tentar aprender a lição, uma experiência não diferente de outra que já tive, mas desta vez, a consciência cobrou, preciso estar mais calma e tranquila e dormir muito bem, olhar a vida com os olhos da alma.

Espero sinceramente que tenhamos hoje uma noite tranquila, de repouso, numa cama tranquila, macia, como já o tivemos antes, e que o respeito a nós mesmos e ao outro possa falar tão alto quanto o carinho, que a paixão desenfreada que assolou em alguns momentos já desapareceu com o raiar de uma nova vida, e o que é descontrole do espírito, e nada saudável ao ser possa dar lugar aquilo que realmente cada um em particular precisa e espera do outro, e assim possamos estar em paz primeiramente com nós mesmos e com o universo, muito antes de estarmos em equilíbrio com o outro.   

A alegria e a sensação de paz é direito de cada ser, fomos criados para a felicidade e não o contrário, nossas dívidas passadas é que nos colocam frente a situações desafiantes onde somos testados a fazer hoje o melhor do que o que fizemos no passado, e assim evoluirmos. 

Nada, realmente nada acontece por acaso, e nem uma pessoa que nos marca hoje passa pela nossa vida se não tivermos nos ligado de alguma forma a ela em algum momento, o que o véu da espiritualidade encobre em verdade, nos dá hoje em situações para nos elevarmos praticando o bem, saldando nossas dívidas, cabe a cada um aceitar o mistério e ser melhor que ontem.

A urgência do ponto final.  

Meu caro leitor, quando surge a urgência do ponto final ficamos pensativos, ela não surge de repente, vem de mansinho, nós é que às vezes passamos os dias como que a não perceber, assim também como este texto, quando falta algo, as coisas ficam meio que aguçadas, mas sem sentido.  É o que acontece, já deve ter percebido que nas palavras faltam algumas letras, sito muito o teclado não digita algumas letras que exprimem sentimentos d pontos finais, mas tudo bem, ainda é uma mensagem.

Percebe-se que algo não vai bem, não digita a letra  também,.. bem, percebe-se que algo não vai quando coisas importantes pra você não o são para o outro, como responder e-mails, pode ser que a ação seja reflexiva, fruto do pensamento e momento, e quando estas ações fazem com que a inspiração de escrever diminua, e deixa-se de fazer algo que se gosta muito por alguns dias, como escrever.  Talvez o outro diga que não teve tempo de responder, ou quem sabe, nem tenha lido ou não sentiu a menor vontade de responder, talvez tenha achado o texto completamente sem graça, ou até idiota mesmo, hein..., isto não importa muito agora. Percebe-se a urgência de ficar distante quando se conhece um profissional que pode te ajudar, e este profissional que também é o ser em questão deste tema, e suavemente se pede pra fazer um limpa nos vírus em sua mente, mas não há respostas também, é como se o pedido ecoasse num vazio sem resposta.  E outras coisas mais... Quando se quer muito ficar próximo, estar junto, e aí quando juntos, não há assuntos, então começa-se a buscar uma implicância aqui, surge uma discussão ali, e tudo praticamente sem motivos.  Esta é a maior constatação de que se está perto do ponto final.

Afinal... sem sentimentos mais profundos, tipo fazer gol em dia que não é campeonato, só um treino sem importância, ou marcar presença como um lugar onde não é e onde se quer estar, mas onde se precisa ou se imagina precisar estar. Tudo isto é uma grade ilusão. Todos fomos criados para a plenitude, para a felicidade, e é melhor mudar de rumo quando se percebe que não se está no caminho certo, que a busca não parou, que é preciso continuar, quando o que encontramos é o suficiente, mas não é o bastante.

Bem, meu Ano Novo começou sob a água do chuveiro e ouvi fogos lá fora....muitos.. fui rápido pra varanda e vi que estava só, o silêncio da noite tomou conta de mim... tive a certeza que seria um ótimo ano e que estava começando com grande benção da vida e de Deus... água e amor.... duas coisas essenciais para um "ser" ser feliz!

Temos um novo ano à frente, repleto de desafios e conquistas, mas se pararmos para pensar todos os dias temos que recomeçar, temos que replanejar, e é claro, agir... pois, sem ação e sem o comprometimento de querer fazer seu novo dia melhor não adianta apenas o planejamento, então  mãos a obra, faça desse novo dia, desse novo ano, melhor que o anterior...

As vezes pisamos na bola com pessoas que confiam em nós, e prometemos sempre que nunca isso se repetirá, mas ainda não temos o poder de prever o futuro, e melhor não podemos definir o que faremos, como reagiremos, o que podemos fazer é prestar mais atenção e não repetir os mesmos erros...  Senti vontade de escrever, penso que sou melhor com as palavras escritas. Quando falo, desejo transmitir algo e nem sempre isto acontece... é complicado...

Creio que passei a vida toda buscando ser feliz, e devo ter sido em muitos momentos, momentos estes que foram soterrados muitas vezes por dores e perdas, eu bem sei que deveria não lembrar das dores, nem das perdas, e acho que não me lembro bem, são elas que não me esquecem, não me deixam. Acordo todo dia pensando em ser mais firme, mais rocha, ser diferente, pensar só no hoje, pensar e ser feliz agora, mudar os maus hábitos, não sei se existe hora certa ou errada, mas fico confusa se pensar muito nisso, se o que temos é  tudo que eu buscamos, por que não crer no que encontramos... sei lá, as vezes nem me julgo merecedora de tanto bem, é confuso, acho que você pode me dizer que não devo pensar no amanhã, mas falar é algo simplesmente fácil, ter atitudes assim é muito difícil.

Tudo que sei é que me sinto de bem comigo mesmo, com a vida, com Deus, e o agora me espera com muitas coisas boas a fazer, planejar, replanejar, afinal conclui nesses dez anos que a vida só começa mesmo aos 50.

Ser feliz é estar de bem consigo mesmo, e amar é poder sentir que as coisas nunca foram entre você e outra pessoa, mas sim entre você e Deus e entre você e seu eu que fala mais alto dentro de sua consciência, é o próprio espirito da verdade te guiando e te conduzindo para montanhas mais altas e a novos horizontes!



Comente esta notícia