NOVA MUTUM, 26 de Maio de 2024
icon weather 14 º 27 º
DÓLAR: R$ 5,17
Logomarca

GERAL Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018, 23:12 - A | A

25 de Outubro de 2018, 23h:12 - A | A

GERAL / SINOP

Caos no Regional leva a superlotação da Upa em Sinop-MT

A situação foi contatada em visita pelo vereador Adenilson Rocha.

Visão Notícias



O descaso com a saúde pública do Hospital Regional de Sinop leva a Unidade de Pronto Atendimento (Upa) de Sinop a ficar superlotada. Pacientes são atendidos em macas nos corredores da unidade. A situação foi contatada em visita na manhã desta quinta-feira (25) pelo vereador Adenilson Rocha. 

Pacientes estão sendo medicados com soros em macas nos corredores por falta de espaço. “O que presenciamos é um desespero por toda a parte, tanto de pacientes, quanto dos profissionais da saúde pública que atendem na unidade. Pois o volume de atendimento está maior que a estrutura da unidade pode suportar. Essa situação é graças ao Hospital Regional de Sinop que não está atendendo os casos graves de alta complexidade, que de responsabilidade do estado, ai para o município”, disse Adenilson. 

Ações de saúde pública devem ser executadas mediante elaboração de políticas públicas através de um sistema descentralizado, em que se respeitada à atuação de cada esfera de governo. “Não é de hoje que estamos cobrando uma solução para este problema. Fomos para Cuiabá, enviamos ofícios, cobramos a direção do Gerir (empresa responsável pelo Hospital), mas nem governo nem a empresa não atendem a sociedade. Vamos buscar uma solução junto ao poder público para acabar com este problema”, desabafa o vereador. 

Existem dezenas de pessoas que estão necessitando de cirurgias ortopédicas e de traumas como braço, clavícula, fêmur, entre outras, que estão esperando há dias serem chamadas pelo Regional. O caso mais grave é de um senhor indígena de 88 anos que está na Upa desde o dia 05/10 aguardando uma cirurgia no fêmur. 

Um paciente aguarda há 44 dias por uma cirurgia no braço direito. Neste caso os ossos já se colaram sozinhos, porém no lugar errado, e será preciso quebrar o braço novamente para realizar o procedimento cirúrgico.



Comente esta notícia