NOVA MUTUM, 17 de Julho de 2024
icon weather 21 º 32 º
DÓLAR: R$ 5,48
Logomarca

GERAL Terça-feira, 12 de Dezembro de 2023, 08:50 - A | A

12 de Dezembro de 2023, 08h:50 - A | A

GERAL / PERIGO NA RODOVIA

Estrada da Chapada registra novo deslizamento de pedra em menos de 24 horas

Gustavo Castro e Max Aguiar



Novo deslizamento de terra dos paredões assustou os motoristas que trafegavam pela rodovia MT-251, conhecida como Estrada da Chapada, na noite desta segunda-feira (11). Este foi o segundo registro em menos de 24 horas.

O fenômeno acende o aleta para riscos de deslizamentos no local, principalmente no período de chuva.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostram alguns policiais militares limpando e retirando alguns blocos de terra que caíram de um paredão na pista por volta das 22h. Não há informações se a rodovia precisou ser interditada.

Na tarde de ontem, o primeiro deslizamento foi registrado às 14h. Equipes da Polícia Militar, Defesa Civil e a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra) estiveram no local para os procedimentos cabíveis.

Dias atrás, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) informou que recebeu um ofício da Sinfra solicitando a análise sobre as medidas de mitigação dos riscos identificados no Portão do Inferno

O relatório técnico emitido por uma empresa contratada pela Sinfra está em análise pelo Instituto.

"A responsabilidade legal pela construção e manutenção das rodovias estaduais, incluindo a MT 251, é de competência da Sinfra-MT, cabendo ao ICMBio apenas a gestão do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães e a manifestação sobre os impactos ambientais da rodovia à unidade de conservação", disse o ICMbio por meio de nota.

Já a Sinfra solicitou que uma consultoria terceirizada elabore, com urgência, um relatório quanto aos riscos geológicos no local, após os deslizamentos nesta segunda-feira.

Conforme a pasta, embora a rodovia estadual esteja inscrita dentro do Parque Nacional, precisa de autorização do ICMBio para realizar as intervenções necessárias.

A Sinfra reforçou ainda que está tomando todas as medidas que lhe cabem para resolver o problema.

Veja ao vídeo;



Comente esta notícia