NOVA MUTUM, 16 de Junho de 2024
icon weather 20 º 36 º
DÓLAR: R$ 5,38
Logomarca

GERAL Terça-feira, 15 de Agosto de 2017, 23:33 - A | A

15 de Agosto de 2017, 23h:33 - A | A

GERAL /

Nova Mutum é a 22ª cidade do Brasil com melhor índice de Gestão Fiscal aponta FIRJAN



Mesmo com o cenário de crise que atingiu o país, Nova Mutum segue na contramão e mostra que as ações executadas pelo poder público estão no caminho certo. De acordo com a nova versão do Índice FIRJAN de Gestão Fiscal (IFGF), Nova Mutum alcançou o IFGF 0.7841 entrando para o seleto grupo de apenas 0,3% das prefeituras do País que alcançaram conceito “A” em gestão.

Dos 104 municípios incluídos no índice Firjan, apenas 1% das prefeituras de Mato Grosso alcançaram conceito “A” em Investimentos e Custos da Dívida. O índice é feito com base nos seguintes indicadores; Receita Própria, Gastos com Pessoal, Investimentos, Liquidez e Custo da Dívida.

Conforme a Firjan a situação da grande maioria das prefeituras do País é caótica, muitas delas não possuem arrecadação suficiente para pagar até mesmo os servidores.

No caso de Mato Grosso 38 municípios ficaram com conceito “B” e a grande maioria (62 municípios) com conceito “C”.

Dos municípios inseridos no Ranking, 03 cidades estão com conceito “D”, que é quando as gestões não estão conseguindo cumprir suas metas e enfrentam déficit nas contas públicas.

O prefeito Adriano Pivetta, avaliou os dados divulgados no ranking e destacou que o momento requer planejamento de estratégias para que Nova Mutum continue com as contas positivas mesmo em meio a crise. “O País atravessa uma das piores crises da história e é necessário pulso firme para que possamos seguir cumprindo as exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal e ainda encontrarmos mecanismos para realizarmos obras de infraestruturas como temos feito aqui em Nova Mutum”, afirmou.

Adriano Pivetta comenta também o fato do Município manter a tradição de aplicar nas áreas de saúde e educação valores expressivos, acima do que determina a Constituição Federal.

 “Um exemplo disso é a saúde pública onde já chegamos a investir cerca de 30% do nosso orçamento enquanto a Constituição diz que o percentual deve ser de 15%. Na área da Educação investimos acima dos 25% previsto pela Constituição. Fazemos esses investimentos porque são setores fundamentais que necessitam de apoio público expressivo e constante”, destaca.

Fonte:Assessoria



Comente esta notícia