NOVA MUTUM, 24 de Maio de 2024
icon weather 19 º 30 º
DÓLAR: R$ 5,17
Logomarca

GERAL Terça-feira, 14 de Maio de 2024, 10:20 - A | A

14 de Maio de 2024, 10h:20 - A | A

GERAL / HORROR

Polícia Civil encontra gato sem cabeça e carcaça de coelho em casa de médica veterinária

Metrópoles



Policiais civis da 38ª Delegacia de Polícia (Vicente Pires) resgataram 12 animais mantidos em situação de maus-tratos, na casa de uma médica veterinária de 30 anos, no Distrito Federal.

A Polícia Civil (PCDF) informou que, na última quinta-feira (9/5), policiais iniciaram uma ação no imóvel e encontram oito cachorros, um coelho, uma ovelha e dois gatos. Os animais estavam sozinhos, sem água ou comida.

Além disso, o ambiente era fétido, com fezes de bichos espalhadas por todo o local e, na varanda da casa, dentro de uma lata de lixo, havia uma carcaça de animal semelhante a um coelho, em decomposição e com larvas em volta, segundo a PCDF. Os policiais encontraram, ainda, um gato sem cabeça.

Sem encontrarem a veterinária em casa no momento da operação, os policiais descobriram que ela estaria em um local conhecido como Monte de Oração, em Samambaia.

No endereço comunicado, os policiais encontraram o veículo da veterinária e, dentro do carro, um cachorro morto enrolado em um pano, além de diversas roupas, seringas e ampolas de medicação.

A investigada, que não teve o nome divulgado, foi intimada a ir à delegacia para prestar depoimento, mas não apareceu. As equipes resgataram os animais achados na casa dela e os levaram para um lar temporário, onde receberam os cuidados necessários.

Durante uma ação da 8ª Delegacia de Polícia (Estrutural), em uma clínica veterinária no Assentamento 26 de Setembro, os investigadores encontraram uma égua, um potro, um filhote de ovelha – que usava um vestido –, cinco coelhos, três cães e três gatos.

A veterinária manteve ao menos 14 bichos dentro da loja e, durante uma semana, dividiu os cômodos e morou com os animais.

A polícia chegou ao endereço após receber informações de anônimos. À época, após a constatação do crime, o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) aplicou uma multa de R$ 3.960 à denunciada.



Comente esta notícia