NOVA MUTUM, 23 de Maio de 2024
icon weather 23 º 33 º
DÓLAR: R$ 5,15
Logomarca

GERAL Quinta-feira, 03 de Maio de 2018, 14:28 - A | A

03 de Maio de 2018, 14h:28 - A | A

GERAL / GERAL

Nova Mutum: Entidades propõem o fim dos decretos de pontos facultativos

Diário Norte
Nova Mutum



A Associação Comercial e Empresarial de Nova Mutum e Câmara dos Dirigentes Lojistas (Acenm/cdl), protocolou junto a Prefeitura Municipal, um oficio solicitando o fim dos decretos de pontos facultativos, em datas próximas a feriados sejam elas, nos feriados nacional, estadual ou municipal, principalmente para os servidores das creches e Centros Sociais do município.

O presidente da CDL, Roberto Giequelin, afirmou que essa é uma necessidade notória, tendo em vista que muitos pais que trabalham ficam sem saber onde deixar seus filhos, uma vez que o seguimento privado não consegue dispensar o funcionário.

“Algumas dessas famílias tem de dois ou três filhos que são atendidos nas creches e centro Sociais, e os pais trabalham, e por exercer uma determinada função na empresa, ficam impossibilitados de revezar com outros companheiros de trabalho que não é treinado para a mesma função. No ponto facultativo, só os funcionários dos órgãos públicos tem direito, a empresa privada não, e essas pessoas ficam sem local para deixar seus filhos, e é justamente por isso que estamos pedindo ao executivo que nos atenda para sanar esse problema”, disse o presidente da CDL.

A mãe, Jessica Oliveira, foi entrevistada pela nossa reportagem, e afirmou que sempre fica em situação difícil, quando o município decreta ponto facultativo.

“Esse ponto facultativo não é feriado, eu trabalho em restaurante e trabalho até mesmo nos feriados, e sempre que o município decreta o ponto facultativo eu não tenho onde deixar meu filho, ele tem só dois anos e não tem como ficar em casa sozinho”, disse a mãe.

Outras mãe também foram entrevistadas e aprovam a iniciativa das entidades.

O presidente da CDL, Roberto Guiequelin, afirmou ainda que tem observado várias situações dentro de suas empresas, a exemplo das mães que clamam pelo fim dos decretos, e disse acreditar numa posição favorável ao interesse dos pais e empresários por parte do poder público.



Comente esta notícia