NOVA MUTUM, 24 de Maio de 2024
icon weather 19 º 30 º
DÓLAR: R$ 5,17
Logomarca

GERAL Sábado, 11 de Maio de 2024, 04:18 - A | A

11 de Maio de 2024, 04h:18 - A | A

GERAL / IMPACTO DA ENCHENTE

Supermercados racionam venda de arroz, feijão, leite e óleo

Estadão



Os reflexos das enchentes que atingem o Rio Grande do Sul já apareceram no varejo. Grandes redes de supermercados e de atacarejo começaram a racionar os volumes vendidos de arroz, leite, óleo de soja e feijão, produtos nos quais o Estado tem forte presença na produção nacional.

No final da tarde desta quinta-feira, 9, por exemplo, Jair Andrade de Almeida, dono do restaurante Nova Frei Caneca, na região da avenida Paulista, foi às compras em um atacarejo da capital paulista para repor os estoques de arroz, mas foi pego de surpresa.

Planejava levar 30 fardos de arroz de 30 quilos, o que ele normalmente gasta por mês no seu restaurante. No entanto, conseguiu comprar apenas dez fardos porque a loja está limitando a venda de volume por cliente. "Vou ter de percorrer outros atacarejos para ver se pego mais 20 fardos", disse ao Estadão.

O pequeno empresário não notou aumento de preço. Mas ele teme que o arroz suba. "Tudo pode acontecer, como eles estão limitando (a venda)", afirmou.

Em outra loja, o pintor autônomo de veículos César Augusto Geraldo não chegou a ter sua compra frustrada como o dono de restaurante. Na loja em que visitava, a venda de arroz estava limitada a três pacotes de cinco quilos por cliente, e ele comprou dois. "Eu e meu pai consumimos, em média, dois pacotes por mês e já tenho mais dois em casa", contou.

A compra de Geraldo é por precaução. Ele teme a falta do produto. "Estou comprando arroz porque está sendo prevista a escassez", disse, lembrando que mais 70% do arroz consumido no Brasil vem do território gaúcho.

Foto: Divulgação

limite de compra

 

Estoques normais

A decisão de consumidores de fazer um pequeno estoque por precaução é exatamente o que a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) quer evitar. Um comunicado divulgado pela entidade "recomenda que os consumidores não façam estoques em casa para que todos tenham acesso contínuo ao produto".

O GPA, dono das redes Pão de Açúcar e Extra, por exemplo, informa que estabeleceu a limitação de quantidades de arroz, feijão, óleo de soja e leite compradas por clientes para garantir a disponibilidade e o acesso da população a produtos essenciais. Acrescenta que os estoques da companhia estão normais.

A Abras informa que monitora os estoques e o abastecimento de produtos essenciais. "Até o momento, os estoques e as operações de abastecimento do varejo estão normalizados com diversas marcas, preços e promoções para atender à demanda de consumo tanto das lojas físicas quanto pelo e-commerce", diz a nota.

O racionamento de produtos ainda não é generalizado. Das sete lojas de varejo e atacarejo visitadas pela reportagem, quatro estavam racionando a venda de produtos. Não havia falta dos itens e as prateleiras estavam cheias, mas avisos indicavam a limitação de volumes por cliente.



Comente esta notícia